domingo, 25 de outubro de 2015

As Empresas Multinacionais Que Financiaram a Guerra de Adolf Hitler



"Por que se amotinam as nações e os povos tramam em vão? Os reis da Terra tomam posição e os governantes conspiram unidos contra o Senhor e contra o seu Ungido, e dizem: 'Façamos em pedaços as suas correntes, lancemos de nós as suas algemas.'"  -  Salmo 2.1-3

Conspirações a grande escala Unificação política, religiosa , econômica ,militar e tecnológica : Estes são pilares sobre os quais haverá de se apoiar o governo mundial, tendo como fim um só governo, uma só religião e uma só moeda .

Os lideres que estão camuflados nesta conspiração que levará o mundo á uma Nova Ordem Mundial estão obcecados pelo controle das massas . Já controlam a Tv , internet, as comunicações, a economia de muitos países , partidos políticos , o suprimento de alimentos, o sistema de saúde, o sistema de locomoção, e por último, controlarão os próprios seres humanos .

Muito se tem ouvido falar sobre a teoria das conspirações na qual muitos lideres políticos , governantes , empresários e outros , estariam envolvidos nas mais terríveis e macabras manobras envolvendo dinheiro , religiosidade e ideologias .

Porem existe muitos que divergem sobre um complot mundial para o surgimento de uma nova ordem mundial .
Este arquivo não possui afeto nenhum com ideologias políticas e seus sistemas o objetivo principal é demonstrar que contra fatos verídicos e históricos não existem argumentos contrários .
Assim como Relatou o Apostolo Pedro
Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;

Muito se tem falado sobre as grandes superfícies empresariais e seus benefícios ,porem hoje vamos virar a pagina e olhar do outro lado da moeda e ver si o diabo realmente veste Armani.
O que não se sabe é que sem a ajuda destas grandes superfícies empresariais multinacionais que financiaram o Tercer Heich , Ritler jamais poderia ter matado milhões de pessoas ou avançar com seus planos macabros para conquistar o mundo pois o tercer heich não possuía nem tecnologia nem matéria prima necessária ou sequer combustível de alta qualidade ideal e necessário para serem utilizados em aviões de guerra .
Este foi exatamente o papel destas empresas multinacionais fornecer a Hitler ( seu cliente ) todo o que fosse necessário para conquistar o mundo .
Muitos são os pesquisadores e historiadores da segunda guerra mundial que afirmam que os diretivos executivos destas empresas, eram amigos de Hitler e que igualmente compartilhavam as mesmas ideias de dominar o mundo e de exterminar os Judeus e qualquer outra raça .

Para se perceber a “realidade do que realmente acontece por trás da política”, deve estudar-se e entender , e muito as elites financeiras que detém o poder.
Movimentos empresariais misturados com movimentos místicos de ordens secretas, influenciando e administrando poderes governamentais e militares é algo extremamente complexo. Quem de nós terá informação suficiente para realizar uma explanação objectiva sobre todo este processo?




Estudo suíço revela que um pequeno grupo de apenas 147 “Super Entidades Tenocráticas” Governam o planeta!!
Em total 147 grandes empresas corporativas que formam uma “Super Entidade” e que detêm o controle de cerca de 40% da riqueza do mundo, aquela que é a economia real. Estas mega-empresas estão no centro da economia global e a controlam.



Para a pesquisadora Silvia Ribeiro, do Grupo ETC, não há nada paradoxal nesse processo. Ribeiro traz um cenário assustador ao demonstrar que nos últimos dez anos, apenas 1% da sociedade apoderou se de 95% da riqueza gerada em todo o mundo.
Dados revelados na Revista Fortune uma revista conceituada de negócios, mostram que das 100 maiores economias do planeta, 40 são empresas e 60 são países. Ou seja, 40 empresas tem mais dinheiro do que a maioria dos países.

Centenas de marcas conhecidas de produtos alimentícios industrializados que encontramos nas prateleiras dos supermercados nas grandes cidades dão a impressão de que o nosso dinheiro vai parar em muitas empresas diferentes. Porem não é assim: a grande maioria dessas marcas registradas pertencem a apenas um conjunto de dez grandes empresas de grande expansão no mercado mundial.
Estas empresas são tão grandes que elas possuem uma política própria e suspeitosa .

Os executivos donos ou presidentes destas empresas,preferem trabalhar em segredo utilizando um código interno de conduta empresarial , onde a regra principal e única do jogo é obter grandes lucros a qualquer preço ,estas pessoas raramente são registradas por fotógrafos e suas influências sobre os acontecimentos têm de ser deduzidas daquilo que as suas agências e seus agentes conhecidos o fazem saber. Em realidade neste cenário de globalização a meta é esconder , e camuflar todas as suas verdadeiras intenções se bem que as vezes não o conseguem .

por vezes o capitalismo e o comunismo o anarquismo o ateísmo o socialismo a religião parecem estar em conflito , porem quando se fala em globalização todos trabalham debaixo de uma mesma ótica de uma suposta paz mundial , uma sociedade única independente financeiramente e partindo de um mesmo principio : uma liderança relevante , forte , influente que possa resolver todos os problemas da sociedade .

Estas associações globalistas de políticos lideres e empresas que promovem e financiam o palco já armado da nova ordem mundial geralmente e sempre foram aceitos pelos “inocentes” úteis e manobráveis ,influenciáveis , despercebidos , desinformados e despreparados que somente conseguem ver o esteriótipo externo da situação ,e aceitam comer das migalhas que caem da mesa dos globalistas .


ESTES MESMOS GRUPOS GLOBALISTAS QUE FINANCIARAM GUERRAS E EM ESPECIAL A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL ,E O EXTERMÍNIO DE MILHÕES DE PESSOAS DE VARIAS RAÇAS , HOJE ESTAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO ESPA LHADAS COM SUAS EMPRESAS MULTINACIONAIS EM TODOS OS CONTINENTES E EM QUASE TODOS OS PAÍSES DO GLOBO TERRESTRE .



NÃO É NOVIDADE QUE O PARTIDO SOCIALISTA TRABALHADOR DA ALEMANHA (nazistas) foram os responsáveis ​​pelo Holocausto, a matança de cerca de seis milhões de judeus (esmagadoramente asquenazes), bem como dois milhões de poloneses e quatro milhões de outros que foram considerados "indignos de viver" (incluindo os deficientes e doentes mentais, prisioneiros de guerra soviéticos, homossexuais, maçons, testemunhas de jeová e ciganos E OUTROS), como parte de um programa de extermínio deliberado. Cerca de 12 milhões, a maioria dos quais eram do Leste Europeu, foram ESCRAVIZADOS na economia de guerra alemã 0BRIGADOS ao trabalho forçado .

Segundo o historiador Zhifen Ju, pelo menos cinco milhões de civis chineses do norte da China e de Manchukuo foram escravizados pelo Conselho de Desenvolvimento da Ásia Oriental, ou Kōain, entre 1935 e 1941, para trabalhar nas minas e indústrias de guerra. Após 1942, esse número atingiu 10 milhões

As estimativas para o total de mortos na guerra variam, pois muitas mortes não foram registradas. A maioria sugere que cerca de 60 milhões de pessoas morreram no conflito , incluindo cerca de 20 milhões de soldados e 40 milhões de civis. Somente na Europa, houve 36 milhões de mortes, sendo a metade de civis. Muitos civis morreram por causa de doenças, fome, massacres, bombardeios e genocídios deliberados. A União Soviética perdeu cerca de 27 milhões de pessoas durante a guerra, quase metade de todas as mortes da Segunda Guerra Mundial. Um em cada quatro cidadãos soviéticos foram mortos ou feridos nesse conflito.

Do total de óbitos na Segunda Guerra Mundial cerca de 85 por cento, na maior parte soviéticos e chineses, foram do lado dos Aliados e 15 por cento do lado do Eixo. Muitas dessas mortes foram causadas por crimes de guerra cometidos pelas forças alemãs e japonesas nos territórios ocupados. Estima-se que entre 11 e 17 milhões de civis morreram como resultado direto ou indireto das políticas ideológicas do partido socialista trabalhador da ale manha , incluindo o genocídio sistemático de cerca de seis milhões de judeus durante o Holocausto, juntamente com mais cinco milhões de ciganos, eslavos, homossexuais e outras minorias étnicas e grupos minoritários. Aproximadamente 7,5 milhões de civis morreram na China durante a ocupação japonesa e os sérvios foram alvejados pela Ustaše, organização croata alinhada ao Eixo.



A atrocidade mais conhecida cometida pelo Império do Japão foi o Massacre de Nanquim, na qual centenas de milhares de civis chineses foram estuprados e assassinados. Entre 3 milhões e 10 milhões de civis, a maioria chineses, foram mortos pelas forças de ocupação japonesas. Mitsuyoshi Himeta registrou 2,7 milhões de vítimas durante a política conhecida como Sanko Sakusen. O general Yasuji Okamura implementou a política em Heipei e Shandong.


GRANDE PARTE DAS MORTES DO HOLOCAUSTO FORAM FINANCIADAS COM DINHEIRO DE GRANDES MULTINACIONAIS



O acontecimento mais incrível em toda essa historia é que depois do termino da guerra muitos dos lideres socialistas nazistas e comunistas foram tratados como heróis em diversos países e financeiramente "Japão e Alemanha receberam polpudos auxílios das potências capitalistas vitoriosas. Entre 1949 e 1952, a Alemanha Ocidental recebeu dos Estados Unidos quase 30 bilhões de dólares em valores atualizados. Já o Japão recebeu um auxílio de 16 bilhões de dólares.




Tanto mais que, por ser dado ao vinho é desleal; homem soberbo que não permanecerá; que alarga como o inferno a sua alma; e é como a morte que não se farta, e ajunta a si todas as nações, e congrega a si todos os povos.”  (Habacuque 2 : 5)


A PERGUNTA QUE NÃO SE QUER CALAR SERIA:
ESTARIA ESTAS MULTINACIONAIS AINDA FINANCIANDO  GUERRAS E  MASSACRES OCORRIDOS NAS ULTIMAS DÉCADAS E NOS DIAS ATUAIS ?


Vejamos uma lista destas empresas multinacionais que financiaram o holocausto na segunda guerra mundial .





KODAK



Durante a Segunda Guerra Mundial uma filial alemã da Kodak usou trabalhadores escravos oriundos dos campos de concentração. Muitos outros ramos europeus da Kodak fizeram alianças com o governo de Hitler . Wilhelm Keppler, um dos principais assessores econômicos de Hitler, tinha ligações profundas na Kodak. Quando o nazismo começou, Keppler aconselhou à empresa Kodak e várias outras empresas norte-americanas a demitir todos os empregado judeus em troca de benefícios.



HUGO BOSS




Foi nos anos 30 que Hugo Boss começou a produzir uniformes nazistas em massa . O motivo: o próprio Hugo Boss era afiliado do partido nazista e fechou um contrato para fazer uniformes da Juventude Hitlerista e da SS. Esse foi um ótimo negócio para Hugo Boss. Assinou um contrato apenas oito anos depois de fundar sua empresa e foi esse contrato que ajudou a levar a empresa a outro nível. A fabricação dos uniformes nazista teve tanto sucesso que Hugo Boss utilizou trabalhadores escravos da Polônia e da França para ajudar na fábrica .

"O fato de  se tornar membro do partido em 1931 certamente não o incomodou, mas se você olhar para o resto da carreira de Boss, aí fica claro que ele não entrou para o partido apenas pelo dinheiro É possível observar claramente que ele era um nazista convicto", afirmou Köster, que realizou pesquisas sobre a vida de Hugo Boss na Universidade das Forças Armadas Alemãs em Munique.

A grife, que já foi conhecida no passado de “alfaiate de Hitler”, financiou a pesquisa do livro Hugo Boss, 1924-1945: A História de uma Fábrica de Roupas Durante a República de Weimar e do Terceiro Reich
Com o termino da Segunda Guerra Mundial, a empresa Hugo Boss foi somente multada pelo envolvimento com o Partido Nacional Socialista.

VOLKSWAGEN



Esta empresa criou o modelo de manter os campos de concentração em suas próprias fábricas, sendo que os escravos produziam equipamento bélico.
Foi em 1934 que Ferdinand Porsche, o homem por trás da Volkswagen e Porsche, reuniu-se com Hitler para discutir a criação de um "carro do povo" . Hitler ordenou a Porsche fazer um carro com uma forma simplificada, "como um besouro". E esse foi o nascimento do Fusca/Beetle... Não só foi projetado para a guerra e os nazistas como o próprio Hitler o nomeou. Durante a Segunda Guerra Mundial, quatro a cada cinco trabalhadores em fábricas da Volkswagen eram trabalhadores escravos. Ferdinand Porsche ainda tinha conexão direta com Heinrich Himmler, um dos líders da SS para solicitar diretamente escravos de Auschwitz.




SIEMENS



Esta empresa utilizou trabalhadores escravos durante o holocausto e os obrigaram a construir as câmaras de gás que iriam matá-los , assim como suas famílias. Esta empresa teve seu grande momento no pós-Holocausto do que qualquer outra empresa.
No ano de 2001 a empresa entrou com uma solicitação de patente nos EUA para registrar uma linha de fornos a gás chamada de Zyklon, mesmo nome do gás usado para matar judeus nas câmaras que a própria empresa construiu durante a Segunda Guerra Mundial.
Uma semana mais tarde, depois de muitos grupos se manifestarem contra a empresa, a Siemens retirou o pedido.

A verdade é que o mistério da iniquidade já está em ação, restando apenas que seja afastado aquele que agora o detém. 2º tessalonicenses 2:7


BROWN BROTHERS HARRIMAN & CO


Prescott, George HW, y George W. Bush foram todos membros de Skull and Bones
A Skull and Bones (Crânio e Ossos, em português) é uma sociedade secreta estudantil dos Estados Unidos, fundada em 1832
Um de seus membros, chamado Prescott Bush membro  da Familia Bush  , por intermédio do banco Union Banking Company, financiou a ascensão de Hitler ao poder junto com a família Harrimn enquanto obteve grandes lucros com o aço, juntamente com Thyssen, e com a exploração de ouro feita pelos líderes nazistas e o investimento deste nos Estados Unidos na conexão que saia da Alemanha (banco August Thyssen Banco) para a Holanda (Bank voor Handel e chegava nos Estados Unidos (Union Banking Corporation) em Nova York. Prescott Bush chegou ainda a transferir ilegalmente combustível de aviação para a Luftwaffe durante o holocausto .



COCA-COLA


Eles apoiaram tanto as tropas americanas quanto as alemãs . Em 1941, a filial alemã da COCA-COLA ficou sem o xarope para produzir a bebida e não podiam adquiri-lo dos EUA devido as sanções do tempo de guerra. Contrataram trabalho escravo e desenvolveram uma nova bebida especificamente para os nazistas a partir de ingredientes como frutas, polpa de maçã utilizada para a produção de sidra, subprodutos da fabricação do queijo e edulcorantes, a Fanta foi desenvolvida
Um novo refrigerante com sabor de frutas chamado FANTA ou Fantasia .
E a ideia deu tão certo que a bebida também começou a ser fabricada em filiais da Coca-Cola nos territórios ocupados pelos alemães — que tiravam proveito da mão de obra escrava em suas fábricas. A companhia norte-americana se desculpou publicamente depois que a guerra acabou.
Durante muito tempo a FANTA foi associada a mulheres exóticas cantando um jingle nazista e foi a bebida oficial da Alemanha nazista .


AUDI

A empresas Audi também está na lista de empresas que utilizaram escravos para aumentar sua produção e lucros na segunda guerra mundial.

A própria empresa encomendou um estudo que acabou revelando que o empresário alemão Richard Bruhn, fundador da Auto Union, que era um grupo de montadoras que incluía a Audi, que também foi responsável pela fabricação do famoso carro de corrida da época, o Auto Union Type A, C e D, teve estreitas ligações com o Partido Nazista.

A conclusão da investigação mostrou que Bruhn, um empresário cultuado, foi pessoalmente responsável pela exploração da mão de obra forçada em larga escala quando, ao mesmo tempo, manteve relações muito próximas com figurões nazistas. Durante a Guerra, a Auto Union utilizou 3.700 prisioneiro de sete campos de escravos da SS tornando-se também assim um dos maiores fornecedores de automóveis para as forças armadas da Alemanha durante o conflito, encerrando suas atividades civis em 1940 e retornando apenas no final da década.




FORD


Henry Ford foi um grande lendário anti-semita . Ele era o mais famoso americano defensor de Hitler . 
Em seu 75º aniversário, em 1938, Ford foi condecorado com uma medalha nazista, concebida para "estrangeiros ilustres". 



Ele lucrou de ambos os lados da guerra a empresa produzia veículos para os nazistas e para os aliados .
Henry Ford era antissemita assumido e até lançou um livro — chamado “O Judeu Internacional” e traduzido para vários idiomas — expondo suas teorias de que os judeus tinham um plano para dominar o mundo.

Henry Ford era proprietário do jornal “The Dearborn Independente publicava com frequência artigos nos quais deixava bem clara a sua posição com respeito aos hebreus, e seu livro, basicamente, consiste em uma compilação de todas essas publicações.



Adolf Hitler, por sua vez, além de ver em Ford um exemplo de mente progressista, teve no industrial sua fonte de inspiração ideológica. Tanto que o chanceler alemão fez uma dedicatória pessoal ao norte-americano na primeira edição de seu livro “Mein Kampf” — ou “Minha Luta” —, e inclusive tinha um retrato do ídolo pendurado em uma das paredes de seu escritório em Munique.
A Ford, forneceu sozinha cerca de um terço de todos os caminhões da frota nazista.
Ford lucrou muito com os dois lados da guerra, já que produziu veículos tanto para os nazistas como para os aliados durante a guerra — e existem muitos documentos e evidências que comprovam a existência de uma forte ligação entre a companhia e o Terceiro Reich.


Ford explorou bem o mercado alemão. Chegou até a fabricar veículos de guerra para o inimigo de seu país antes do início da guerra dobrando o número de suas fábricas no país entre 1939 e 1945. Chegou a lucrar US$ 17,5 milhões. 




Junto com a GM fabricou cerca de um terço dos caminhões nazistas.




E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta.
Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta.
(Apocalipse 17:12-13)




IBM


A empresa IBM foi a responsável pela construção de máquinas personalizadas para os nazistas com quais eles podiam usar para controlar tudo, do fornecimento de petróleo, os horários dos trens em campos de morte até em controlar as contas bancárias de judeus vítimas do Holocausto. No mês de setembro de 1939 momento em que a Alemanha invadiu a Polônia, o New York Times informou que aproximadamente 3 milhões de judeus iam ser "imediatamente retirados" da Polônia e provavelmente seriam "exterminados".
A reação da IBM?
Um memorando interno disse que devido à "situação", eles teriam que aumentar a produção de equipamentos o mais rápido possível para os nazistas.
A IBM também ajudou fornecendo os cartões e maquinas para catalogação de judeus,desde os programas de identificação e catalogação da década de 1930 até os processos seletivos da década de 1940... mas o processo contra a empresa por colaboração com o nazismo foi extinto em 2008

Foi a IBM quem organizou a chamada Solução Final através de um sistema de tecnologia ancestral do computador que dominava desde o século 19: os cartões perfurados.
Eram usados nos censos.
Com este sistema em uso pôde ajudar os nazistas a descobrirem o mais rápido possível quem eram os judeus na Alemanha, onde viviam e do que trabalhavam e, com isso, fazer o trabalho de confiscação de bens e prisões. E após as prisões, também coordenar os sistemas de trens de transportes dos escravos para os campos de concentração, e finalmente lá, gerenciar quem trabalharia e quem seria exterminado todo sistema produzido pela IBM . O famoso número que eram tatuados nos braços dos ESCRAVOS E PRISIONEIROS era nada mais que o número do cartão da IBM com a identificação de tal. 

O Reich se tornou o maior consumidor internacional da IBM rendendo-lhe através da subsidiária alemã US$ 200 milhões.

As evidências sobre o envolvimento da IBM com os nazistas vieram à tona — e fizeram bastante rebuliço — após o lançamento do polêmico livro “IBM and the Holocaust” (ou “IBM e o Holocausto”, em tradução livre) do jornalista e filho de sobreviventes do genocídio Edwin Black, em 2001. 

Segundo o autor, o Holocausto teria acontecido sem a ajuda da companhia, mas não da forma nem com os números que conhecemos hoje.
Black passou 3 anos investigando o envolvimento da companhia com o nazismo e no livro argumenta que o Holocausto foi facilitado graças à tecnologia da IBM especialmente para os nazistas, permitindo que Hitler automatizasse sua perseguição a judeus, ciganos, homossexuais e outros grupos através da geração de listas de grupos de escravos que deveriam ser enviadas aos campos de concentração.

Afinal, a IBM era uma empresa focada em oferecer soluções, e seu objetivo era desenvolver as soluções que seus clientes desejavam, inclusive se fosse a Solução Final. E apesar de a companhia alegar não ter provas da época para provar sua inocência, não faltam evidências que sugerem que ela está diretamente conectada com uma das piores atrocidades do seculo atual .

MERCEDES-BENZ




A empresa além de serem acusadas de beneficiar o Nazismo, está sendo investigada pelos EUA por violação dos Direitos Humanos na ditadura argentina.

Daimler AG com sede em Stuttgart, Alemanha, é um fabricante de automóveis  e veículos comerciais. A sua marca mais conhecida é Mercedes-Benz. A empresa também é fornecedora de serviços financeiros. É o 2ª maior fabricante de caminhões e a 36ª maior fabricante de carros em 2013 . A empresa também é fornecedora de serviços financeiros . A Daimler AG foi fundada em 17 de novembro 1998.
Depois de 2014, a Daimler AG possui ou tem ações em uma série de marcas de carros, ônibus, camiões e motocicletas, incluindo Mercedes-Benz, Mercedes-AMG, o Smart Automobile, Freightliner, Western Star Trucks, Thomas Built Buses, Setra,BharatBenz, Mitsubishi Fuso, MV Agusta, bem como ações em Denza, KAMAZ, Beijing Automotiv e Group, a Tesla Motors eRenault-Nissan. A marca Maybach foi fechada no final de 2012, mas foi recriada em novembro de 2014 como "Mercedes-Maybach", uma edição ultra luxo da Mercedes-Benz Classe S .


BMW



A empresa BMW admitiu que utilizou até 30.000 trabalhadores forçados durante a guerra. Estes prisioneiros de guerra, trabalhadores escravos e presos dos campos de concentração, produziram os motores para a Luftwaffe e foram obrigados a ajudar o regime defendendo daqueles que estavam tentando salvá-los. A BMW centrada unicamente nos aviões e motocicletas durante a guerra, não tinha outra pretensão a não ser a fornecedora da maquinaria de guerra dos nazistas.

BayerischeBayerische Motoren Werke AG (abreviatura BMW AG, em português: Fábrica de Motores da Baviera) é uma empresa alemã, fabricante de automóveis e motocicletas, com sede em Munique.
BMW desenvolve, fabrica e comercializa seus produtos sob as marcas BMW, Rolls-Royce Motor Cars e Mini

Opel


A Opel é uma indústria de automóveis alemã desde 1899 até os dias atuais e, após ser se tornar uma subsidiária da GM (General Motors), empresa norte-americana, foi responsável pela fabricação de 40% dos veículos que circulavam na Alemanha e 65% dos exportados pelo país empregando com isso 17 mil pessoas em uma Alemanha em que uma das chaves do sucesso político seria a queda de desemprego recebendo agradecimentos diretos do Führer. A empresa tinha até planos de fazer, na própria Alemanha nazista um modelo de carro para fazer frente com o Ford Modelo T obtendo com isso com um acordo na redução de impostos, no preço da gasolina além da venda de 100 mil modelos por ano no país. Criou o modelo Opel Blitz que foi usado na Segunda Guerra pelo Exército Alemão para transportar tropas. Continuou a sua fabricação até 1975 quando foi substituído por outro modelo, o Bedford Blitz.



RENAUT

Louis Renault 12 fev 1877 - 24 de outubro de 1944 era industrial francês , um dos fundadores da Renault e um dos pioneiros da industria do automóvel
Durante a I Guerra Mundial suas fábricas contribuíram maciçamente com a guerra, principalmente na criação e fabricação de tanques de guerra.
Tudo começou após a ocupação da França pela Alemanha nazista em maio de 1940 na qual as forças armadas nazistas assumiram o controle das fábricas de Louis Renault e a utilizaram, com a ajuda da Daimler-Benz para a produção de veículos militares para a Wehrmacht.
Esse foi o motivo pelo qual as forças inglesas bombardearam a fábrica da Renault que se localizava em Boulogne-Billancourt em resposta aos fatos acontecidos .
Após a derrota alemã, Louis Renault dono e fundador da Renault foi capturado durante a libertação da França em 1944 por "manter relações comerciais com os nazistas" e acabou morrendo na prisão antes de preparar sua defesa. 


Seus ativos industriais foram confiscados pelo governo e as fábricas da Renault tornaram-se estatais, passando a chamar-se Régie Nationale des Usines Renault (Conselho Nacional das Fábricas Renault).

E segundo o artigo do The Daily Telegraph, de Londres, de 14 de maio de 2005, intitulado "Louis Renault and the Shame of a Nation" (Louis Renault e a Vergonha de uma Nação), de Ian Morton, Renault foi novamente acusado postumamente de "enriquecimento culposo obtido por aqueles que trabalharam para o inimigo".

https://en.wikipedia.org/wiki/Louis_Renault_%28industrialist%29

Tudo esta bem hoje, esta é a nossa ilusão”. Voltaire





QUANDTS

Família de industriais e acionista majoritária da BMW, quebrou seu silêncio. Ela admitiu ter feito uso de milhares de trabalhadores forçados e de terem fechado vários negócios com o governo nazista.


GENERAL ELECTRIC


Em 1946 a General Electric recebeu uma multa por parte do governo americano por suas TERRIVEIS atividades durante a guerra. Em colaboração com Krupp, uma empresa produtora alemã, General Electric de forma intencionada e artificial subiu o preço do Carbeto de tungstênio, um material de vital importância para os metais das máquinas e armas necessárias para a guerra, dificultando o esforço para ganhar a guerra e aumentando o custo para derrotar os nazistas. GE também comprou ações da Siemens antes que começasse a guerra, transformando em cúmplice do uso da mão de obra escrava para construir as mesmas câmaras de gás onde muitos dos trabalhadores afetados faleceram. Muitos afirmam que até hoje, o logo da GE leva uma suástica estilizada.





DEUTSCHE-BANK


Eles estão sendo processados por vítimas do Holocausto e recentemente foram encontrados documentos que podem provar a sua participação. Empresa financiou a construção dos campos de concentração. 


Deutsche Bank (em português: Banco Alemão) é uma das maiores instituições financeiras do mundo, fundada em 22 de janeiro de 1870 em Berlim, Alemanha, para promover e facilitar os negócios financiros entre a Alemanha e os mercados internacionais. É o maior banco alemão. O primeiro Presidente era Georg von Siemens. A Deutsche Bank atua em Corporate & Investment Bank, Clientes Privados e Gestão de Ativos e Investimentos Corporativos.
Em um cenário de crescente globalização da economia mundial, o Deutsche Bank está com presença em mais de 70 países e diversificação regional, com fluxos de receitas substanciais de todas as principais regiões do mundo.

Em dezembro de 2014 possuía mais de 100 mil funcionários em 73 países com 2.814 filiais ou agências mundialmente. A Deutsche Bank tem bases fortes em todos os principais mercados emergentes, incluindo a região da Ásia-Pacífico, Europa Central e Oriental, e América Latina. Na Alemanha o Deutsche Bank tem 1 845 sucursais com 47 323 empregados

Depois de Adolf Hitler chegou ao poder, instituindo o Terceiro Reich, o Deutsche Bank negou provimento aos seus três judeus membros da diretoria em 1933. Nos anos seguintes, o Deutsche Bank participou da arianização de empresas de propriedade de judeus; de acordo com os seus próprios historiadores, o banco estava envolvido em tais confiscos 363 até Novembro de 1938. Durante a guerra, o Deutsche Bank incorporou outros bancos que caíram nas mãos dos alemães durante a ocupação da Europa Oriental. Deutsche forneceu suas instalações bancárias para a Gestapo e emprestou os fundos utilizados para construir campos de concentração .
Durante a Segunda Guerra Mundial, o Deutsche Bank tornou-se responsável pela gestão do Bohemian Union Bank em Praga, com filiais em protetorado e na Eslováquia, a Bankverein na Iugoslávia (que agora esta dividido em duas sociedades financeiras, uma na Sérvia e uma na Croácia) , o Albert de Barry Bank em Amsterdam, o Banco Nacional da Grécia, em Atenas, o Creditanstalt-Bankverein na Áustria e na Hungria, o Deutsch-Bulgarische Kreditbank na Bulgária, e Banca Comerciala Romana (The Romanian Commercial Bank) em Bucareste. Ele também manteve uma filial em Istambul, Turquia.

Em 1999, o Deutsche Bank confirmou oficialmente que tinha sido envolvido em Auschwitz. Em dezembro de 1999, a Deutsche, juntamente com outras grandes empresas alemãs, contribuiu com um fundo de US $ 52 milhões em indemnização por processos movidos por sobreviventes do Holocausto.

Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora. 1 João 2:18



THYSSENKRUPP




Esta empresa era responsável de fabricar as armas para os nazistas. Em especial, o canhão Schwerer Gustav. O criador da empresa, Krupp, não foi condenado após a 2ª guerra por motivos de saúde, mas seu filho que era diretor da empresa foi condenado há 12 anos. Mas foi perdoado logo após e voltou a gerir a empresa.

ThyssenKrupp é um grupo industrial diversificado de alta tecnologia alemão com mais de 150.000 empregados em mais de 80 países. A empresa resultou de uma união em 1999 das empresas Thyssen e Krupp. No ano fiscal de 2011/2012 ThyssenKrupp gerou vendas de € 40 bilhões.

O Grupo é formado por 670 empresas espalhadas pelo mundo e é um dos maiores produtores de aço no mundo. Possui três unidades de serviço: aço, bens de capital e serviços. A produção de aço se concentra no aço carbônico e aço inoxidável, enquanto as unidades de bens de serviço abrangem três segmentos: elevadores, indústria automotiva (peças, subconjuntos e módulos) e construção de plantas de indústrias de alta tecnologia e desenvolvimento de componentes e maquinário.[1]



Allianz Seguros

Durante o Holocausto, os judeus que tinham seguro de vida na Allianz faziam um péssimo negócio, já que as apólices eram pagas diretamente para o governo nazista a empresa usou o dinheiro de seguro dos judeus para pagar a política nazista. Além disso, o CEO da Allianz na época era um dos conselheiros de Hitler.
Allianz, cujo nome significa "aliança" em alemão, foi criada pelo especialista em seguros Carl Thieme e o banqueiro Whilhem Finck. Juntos a representantes de duas casas bancárias, dois industriais, um advogado, um banqueiro, um político e um perito em seguros, Thieme e Finck aplicaram um capital inicial de quatro milhões de marcos e em 5 de fevereiro de 1890 fundaram a empresa em Berlim. Em 1954, porém, a sede foi transferida para Munique, onde está até hoje.

A empresa Allianz esta em mais de 70 países, somando mais de 83 milhões de clientes, dos quais 50 milhões são de motoristas segurados pela companhia, além de segurar a maioria das 500 maiores empresas do mundo. O nome da Allianz está ligado também a grandes construções, como a Ponte Incheon (Coréia do Sul), o Eurotúnel (que liga a França à Inglaterra) e o Rodoanel de São Paulo, e até com o espaço, segurando o Programa Espacial da Nasa e os Satélites Star One.

A Allianz SE é membro da Transparência Internacional e apoia os princípios do Pacto Global das Nações Unidas e as Diretrizes da OCDE para Multinacionais por meio de seu Código de Conduta. A organização é líder do setor de seguros no índice Dow Jones de Sustentabilidade, listado no FTSE4GOOD e no Carbon Disclosure Leadership Index (Carbon Disclosure Project, CDP6).






Um banco incorporado ao grupo que é acusado de financiar o Nazismo: Link Revista Isto é



STANDARD OIL COMPANY / EXXON-MOBIL



Esta empresas americanas mesmo depois que os EUA entrou em guerra contra a Alemanha, continuaram fornecendo combustível para as aeronaves nazistas e outras máquinas de guerra.

Exxon Mobil Corporation (NYSE:XOM) (ExxonMobil) é uma empresa multinacional de petróleo e gás dos Estados Unidos, com sede em Irving, Condado de Dallas no estado do Texas.
A ExxonMobil foi formada em 30 de novembro de 1999na fusão da Exxon com a Mobil, duas empresas resultantes da divisão da Standard Oil Company em 1911.
A Exxon Mobil Corporation opera atualmente no mercado sob a marca ExxonMobil, e também opera as marcas Exxon, Mobil eEsso.
Sua sede brasileira encontra-se na cidade do Rio de Janeiro. Em meados de 2003, foi criado em Curitiba um centro de suporte, que atende a várias operações da empresa tanto localmente quanto ao redor do mundo, principalmente com serviços de informática e controladoria.
A corporação ocupa hoje a segunda posição no ranking mundial das empresas com maior valor de mercado, atrás somente da gigante estadunidense Apple.


FUNDAÇÃO ROCKEFELLER



Criadora da "eugenia", método que foi aplicado em diversos países, onde se tinha como objetivo uma seleção não natural dos humanos aptos e superiores. Financiou pesquisas para os nazistas .

Fundação Rockefeller - é uma fundação criada em 1913 nos Estados Unidos da América, que define sua missão como sendo a de promover, no exterior, o estímulo à saúde pública, o ensino, a pesquisa e a filantropia. É caracterizada como associação beneficente e não-governamental, que utiliza recursos próprios para realizar suas ações em vários países do mundo




 Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo. 1 João 3



DR. OETKER

Foi uma das empresas que financiava Hitler e usava escravos capturados pelos soldados nazistas.

FOTO FAMÍLIA OETKER EM UM ENCONTRO DO PARTIDO SOCIALISTA NAZISTA

Dr. August Oetker, o bisneto do fundador, lidera a empresa desde 1981. Sob seu comando foi aberta uma investigação sobre a história da empresa durante a 2ª Guerra Mundial, e descobriu-se que o diretor-executivo da companhia na época, Richard Kaselowsky, filiou-se ao Partido Nazista e doou grandes somas de dinheiro ao líder da SS, Heinrich Himmler.




 Link
No Brasil, a empresa tem uma fábrica em São Paulo. É a principal fornecedora de sobremesas em pó, pizzas congelada e chás. Estabeleceu-se no Brasil a partir de 1954 .




ADIDAS E PUMA


A empresa de equipamentos desportivos que muitos acham que seu nome seja a abreviação da frase em inglês All Day I Dream About Sports (em inglês: Todos os dias eu sonho com esportes), em realidade leva o nome de seu fundador alemão, Adolf Dassler ( devido a junção de seu apelido “Adi” com a abreviação de seu sobrenome “Das” de Dassler ), a empresa foi fundada em 1920 em Herzogenaurach , próximo de Nuremberg.
Em 1924, seu irmão Rudolf Dassler ou “Rudi” se juntou a ele.
Mas, em 1948, iniciou sua própria empresa , intitulada originalmente de Ruda (iniciais de Rudolf Dassler usando a mesma ideia do seu irmão) que mais tarde, graças ao comentário de um amigo de Rudi que disse que o termo Ruda soava estranho, meio sem sentido fez Rudolf concordar e resolver mudar a marca para Puma que era uma palavra com som bastante parecido e que ainda tinha uma vantagem ao se referir ao simbólico felino nativo do continente americano que também simboliza velocidade, rebatizando-a assim.
Esta foi uma empresa que dá graças ao regime nazista por se tornar uma marca conhecida internacionalmente. Inicialmente chamada Gebrüder Dassler Schuhfabrik (em alemão, Fábrica de Sapatos Irmãos Dassler).

Com a ascensão de Adolf Hitler na década de 1930, os dois irmãos Dassler juntaram se ao Partido Nazista , com Rudolf sendo considerado um grande Nacional Socialista .

A fama de Rudolf teve início nos Jogos Olímpicos de verão de 1936 ao convencer o velocista afro-americano Jesse Owens a usar seus sapatos tornando-o o primeiro atleta afro-americano a ser patrocinado pelos irmãos Dassler.

Na guerra, a fábrica foi usada para a fabricação dos lançadores de foguetes nazistas conhecido como Panzerschreck estes projetados para perfurar a armadura de tanques aliados.

Aprendei, pois, esta parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão.

Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas.




Novartis




Novartis é um grupo farmacêutico suíço criado em 1996 pela fusão de Ciba-Geigy e Sandoz com sede em Basileia, na Suíça.
A Novartis está dividida em três grandes divisões: Pharma, Consumer Health e Sandoz. Esta última, voltada a comercializar medicamentos genéricos, oftalmologia e farmacêutica.
A Bayer ainda que conhecida por suas origens como uma subdivisão do produtor que fabricou o gás Zyklon B, gás utilizado nas câmaras de gás nazistas, não é a única empresa farmacêutica com esqueletos no armário. As empresas químicas suíças Ciba e Sandoz se fundiram para constituir a Novartis, mais conhecida pelo seu famoso remédio, Ritalin. Em 1933, a filial berlinense da Ciba despediu todo o conselho de administração e o substituiu por um grupo de pessoas arianas mais “aceitáveis”. Entretanto, Sandoz estava ocupada fazendo o mesmo com o seu presidente. As empresas produziram tintas, remédios e produtos químicos para os nazistas durante a guerra. Novartis confessou a sua culpa e tentou corrigir a sua contribuição com o nazismo com as outras companhias enviando15 milhões de dólares a um fundo suíço de compensação as vítimas dos nazistas



CHASE BANK


Pensando bem, a contribuição do Chase Bank (agora J.P. Morgan Chase) com os nazistas não é tão surpreendente. Um de seus acionistas mais importantes, J.D. Rockefeller, fundou diretamente os experimentos eugênicos antes da guerra. Entre 1936 e 1941, Chase e outros bancos estadunidenses ajudaram os alemães com a captação de recursos que chegaram a mais de 20 milhões de dólares, que supõe um importante peso de comissão de 1,2 milhões de dólares, dos quais Chase embolsou uns 500.000 dólares. Isso era muito dinheiro na época. O feito de que os marcos alemães utilizados para financiar operações provém dos judeus que haviam fugido da Alemanha não parece incomodar a Chase, obviamente o seu negócio aumentou depois da noite dos cristais (a noite na qual os judeus da Alemanha e da Áustria nazista foram atacados por grupos em 1938).

Chase também congelou as contas dos judeus francesas na França ocupada antes de que os nazistas tivessem que pedir o que foi feito.




CHANEL


Gabrielle Bonheur "Coco" Chanel (19 de agosto de 1883 - 10 de janeiro de 1971) foi uma francesa designer de moda e fundadora da empresa Chanel . Junto com Paul Poiret

Em 1939, no início da II Guerra Mundial, Chanel fechou lojas, mantendo seu apartamento situado acima da casa de alta costura em 31 Rue de Cambon. Ela alegou que não era um momento para a moda ] e 3.000 trabalhadores do sexo feminino perderam seus empregos. O advento da guerra havia dado Chanel a oportunidade para retaliar contra suas trabalhadoras que, fazendo lobby para salários justos e horas de trabalho, tinham fechado sua operação de negócios durante uma greve geral na França em 1936. Ao encerrar sua casa de alta costura, Chanel fez uma declaração definitiva sobre seus pontos de vista políticos. Ela tinha grande antipatia aos judeus, inculcada por seus anos de convento e despertada pela sua associação com as elites da sociedade , ela realmente tinha solidificado suas crenças. Ela compartilhou com a maioria de seus círculos a convicção de que os judeus eram uma ameaça constante para a Europa. Durante a ocupação alemã Chanel residia no Hotel Ritz, que também foi notável por ser o lugar preferido de residência do escalão superior nazista alemão. Sua ligação romântica com Hans Gunther von Dincklage, um oficial alemão que tinha sido um agente na inteligência militar desde 1920, facilitou sua disposição a residir no Ritz.
"Rumores históricos confirmam que Coco Chanel , era uma leal aliada dos alemães. O biógrafo Edmonde Charles-Roux afirma que a inteligência alemã a mandou para a 'uma visita a Winston Churchill como parte de um missão de paz em segredo.'"



Na nova biografia da estilista Coco Chanel, chamada An Intimate Life, a autora Lisa Chaney comenta o envolvimento da estilista com um oficial alemão na época do Holocausto.


NESTLÉ
Os alemães não eram fãs apenas de refrescos, mas de chocolates também, e a Nestlé ganhou muito dinheiro durante a guerra — e com o Terceiro Reich. Segundo o pessoal do site Business Pundit, em 1939, a fabricante de alimentos ajudou financeiramente o Partido Nazista na Suíça, o que acabou lhe rendendo um lucrativo contrato de fornecimento de chocolates para a Alemanha.



Durante a Segunda Guerra Mundial, a companhia suíça manteve um relacionamento bastante próximo a diversos figurões do Terceiro Reich, incluindo o próprio Adolf Hitler. Assim, a fabricante, que já possuía subsidiárias em países ocupados pelos nazistas, passou a tirar proveito da possibilidade de usar trabalho forçado em suas linhas de produção.
Além disso, em 1947, a Nestlé adquiriu uma fábrica na Alemanha — a Maggi — na qual não só empregou milhares de prisioneiros de guerra na produção de seus produtos, como se manteve a par de tudo o que estava acontecendo e não fez nada a respeito. Inclusive existem rumores de que a companhia teria usado barras de chocolate para atrair judeus até os vagões que os transportavam até os campos de concentração.



Segundo um artigo do portal de notícias The Independent, há alguns anos a matriz do grupo suíço assumiu publicamente a responsabilidade moral pelas atividades durante a guerra e fez um acordo com sobreviventes do Holocausto e organizações judaicas, pagando uma indenização de 25 milhões de francos suíços (ou cerca de R$ 73 milhões). Além disso, a Nestlé afirmou que esperava que subsidiárias em operação na Alemanha e Áustria fizessem doações voluntárias.
A Nestlé é a maior empresa de alimentos no mundo, com uma capitalização de mercado de cerca de 191.000 milhões de francos suíços, o que é mais de 200 bilhões de dólares.
Nestlé S.A. é uma empresa suíça produtora de alimentos. O símbolo da empresa, que mostra uma família de pássaros, vem do nome em alemão suábio, que significa "ninho".
A Nestlé opera em 194 países, dos cinco continentes - África, América, Ásia, Europa e Oceania. No Brasil, atua desde 1876, inicialmente com a comercialização de farinha láctea,[5] e em 1921 consolidou sua atuação no país quando instalou sua primeira fábrica, em Araras (SP), para a produção do leite condensado Milkmaid, que mais tarde receberia o nome Leite Moça
O documentário 2010 The Dark Side of Chocolate alega que as compras da Nestlé grãos de cacau de plantações da Costa do Marfim que usam trabalho escravo infantil. As crianças são geralmente de 12 a 15 anos de idade, e alguns são traficadas de países vizinhos. Os primeiros alegações de que a escravidão infantil é utilizado na produção de cacau apareceu em 1998. No final de 2000, um documentário da BBC relataram o uso de escravos crianças na produção de cacau na África Ocidental. Outros meios de comunicação seguiram, relatando criança generalizada escravidão e tráfico de crianças na produção de cacau



Em junho de 2009, um surto de E. coli O157: H7 foi ligada à Nestlé refrigerando massas de biscoitos originários de uma planta em Danville, Virginia. Nos EUA, causou doença em pelo menos 69 pessoas em 29 estados, metade dos quais precisaram ser hospitalizados. Após o surto, a Nestlé o recall voluntário de 30.000 casos da massa de biscoito.



No final de setembro de 2008, o governo de Hong Kong encontrou melamina em um produto lácteo chinês-made Nestlé. O leite Farm Dairy foi feita pela divisão da Nestlé na cidade costeira chinesa de Qingdao. A Nestlé afirmou que todos os seus produtos são seguros e não foram feitas a partir do leite adulterado com melamina. Em 2 de Outubro de 2008, o Ministério da Saúde de Taiwan anunciou que seis tipos de leite em pó produzido na China pela Nestlé continha baixo nível vestígios de melamina, e foram retirados das prateleiras.



Em 2002, a Nestlé exigiu que a nação Etiópia pagasse uma dívida de U$ 6 milhões com a empresa. Na época o país estava sofrendo com uma grande fome, a empresa recuou de sua demanda mas depois de mais de 8.500 reclamações recebidas via e-mail para a empresa sobre o seu tratamento para com o governo etíope. A empresa concordou em voltar a investir todo o dinheiro que recebeu com o país.
Saiu uma matéria na folha, informando que a empresa vai pagar ex-escravos judeus. Dispensa comentários. 




LOUIS VUITTON

O site Mediapart e o jornal Le Canard Enchaîné revelaram em 2011 que durante a guerra houve colaboração francesa com os alemães por “imperativos econômicos”. Foi o caso de Louis Vuitton. Mas os famosos “imperativos econômicos” que justificaram a colaboração impediram a revista Géo Histoire de publicar um texto sobre as relações perigosas de Louis Vuitton com o ocupante alemão. Explica-se: a marca de luxo é um importante anunciante de outras revistas (Gala, Femme Actuelle) que pertencem ao grupo Prisma Presse, proprietário de Géo Histoire.
O número especial de Géo Histoire de setembro-outubro de 2011 tratava do tema “La France sous l’occupation”, mas o artigo que tinha por tema a colaboração econômica, um tabu nos meios empresariais franceses (Chanel e Renault teriam colaborado também) foi censurado pela revista, por recomendação do setor comercial.
Segundo o site Mediapart, o artigo censurado não era propriamente um furo. Em 2004, o livro de Stéphane Bonvicini – Louis Vuitton, une saga française – já tratava do tema da colaboração de Louis Vuitton durante a guerra. O livro teve um lançamento que ficou quase clandestino, já que praticamente não se falou dele na imprensa. Et pour cause. O jornal britânico The Guardian lembrou na época que “Louis Vuitton é um dos maiores anunciantes da imprensa francesa”, tanto de grandes jornais como de grandes semanários e revistas de moda.
Segundo o Canard Enchaîné, o artigo de Géo Histoire tinha sido relido pelo redator-chefe da revista e por um historiador que atestou a veracidade dos fatos. Um trecho do artigo censurado dizia :
Quando Philippe Pétain instala seu governo no Hôtel du Parc, em Vichy, todas as marcas de luxo que, como o joalheiro Van Cleef & Arpels, têm lojas no hotel são expulsas. Todas menos uma: Vuitton. A casa, fundada em 1854 por Louis Vuitton e tornada célebre pela imperatriz Eugénie (esposa de Napoleão), era dirigida em 1940 por Gaston, neto do fundador. Gaston pede a seu irmão Henry que mostre claramente a fidelidade ao novo regime para assegurar a perenidade da marca que vai fabricar objetos destinados a glorificar o marechal Pétain.
Henry Vuitton mantém relações de amizade com oficiais da Gestapo. Vuitton foi um dos raros industriais condecorados pelos nazistas, em reconhecimento de sua lealdade, em cerimônia na qual os oficiais SS e a Wehrmacht usam uniformes desenhados por um estilista de Metzingen, um certo Hugo Boss, e confeccionados por deportados e trabalhadores do trabalho obrigatório na Alemanha”.


DuPont



Esta famosa marca é a que trabalhou descaradamente dos dois lados e ainda quis ir mais longe ainda.

Enquanto a DuPont era a 15ª empresa para contratos de ajuda na produção em tempos de guerra nos Estados Unidos (ela também foi contratada na Primeira Guerra Mundial) e desempenhava um papel importante no chamado Projeto Manhattan em 1943, para o projeto, construção e operação do plutônio em Hanford, Washington e no Oak Ridge National Laboratory, no Tennessee.



Ao mesmo tempo, Irénée du Pont, que era presidente e chefe da Dupont, além de ter uma fatia expressiva da General Motors, era um fascista fervoroso e admirador de Adolf Hitler, tendo acompanhado a carreira deste de perto desde os anos 20. No dia 7 de setembro de 1926, Irénée discursou diante da American Chemical Society a favor da criação de uma raça de “super-homens” por meio da injeção de drogas em crianças selecionadas, de “raça pura”.



Durante os anos 30, o grupo Dupont investiu grandemente na Alemanha nazista por meio das empresas ligadas à sua sede nos Estados Unidos. Apenas pela General Motors, du Pont investiu US$ 30 milhões na já citada I.G. Farben e empresa responsável pelo Zyklon B , este foi o nome comercial de um cianeto pesticida inventado na Alemanha no início de 1920 .
O produto é famoso por sua utilização na Alemanha nazista durante o Holocausto para matar um milhão de pessoas em câmaras de gáses instalados em Auschwitz-Birkenau, Majdanek, e outros campos de extermínio.

Em um depoimento do próprio DuPont a uma comissão do Congresso norte-americano, confessou que estava ciente de que Wendell Swint, seu representante na Europa, concordava em que a I.G. Farben e a Thysen Krupp contribuíssem com meio porcento de sua folha de pagamento para o Partido Nazista e ainda que estava plenamente consciente de que a General Motors contribuía com os nazistas por meio de suas operações na Alemanha, pela empresa Opal.

Já nos Estados Unidos apoiou movimentos de grupos pró-nazismo e fascismo tais como o Lobby pela Liberdade Americana (American Liberty Lobby), os Cruzados de Clark e a Liga da Liberdade. Em 1934, Irénée du Pont e o tenente-general William Knudesn, que também era presidente da General Motors, junto com amigos do Banco Morgan e outros colocaram em movimento um plano para derrubar o então presidente Roosevelt, plano que passaria a se chamar Business Plot [(port: Complô dos Empresários), também conhecido como Complô contra Franklin Delano Roosevelt ou o Putsch da Casa Branca]. Eles teriam disposto de US$ 3 milhões para financiar um exército terrorista criado a partir do modelo do grupo fascista francês Cruz de Fogo. O objetivo da trama era, ou forçar Roosevelt a acatar as ordens deste grupo de empresários e implantar um regime a moda fascista ou executá-lo se ele decidisse não cooperar.


O tenente-general William Signius Knudsen: junto
com Irénée du Pont financiou grupos pró-Nazismo
para derrubar Roosevelt da presidência


E houve outros que também quiseram entrar nesta conspiração tais como...


Singer, Goodyear e Sun Oil hoje conhecida como Sunoco Inc.)

Outros industriais abastados também participaram da trama, tais como Robert Clark, herdeiro da companhia fabricante de máquinas de costura Singer, Grayson Murphy, diretor da Goodyear, e a família Pew, da companhia petroleira Sun Oil. Durante a guerra, estas três empresas estavam envolvidas em operações que visavam auxiliar a expansão nazista na Europa. E tudo isso encabeçado pela família Morgan.



A fábrica da Singer, por exemplo, localizada na margem Leste do Elba, era utilizada para a fabricação de metralhadoras. A Singer mais tarde trocaria por completo a fabricação de máquinas de costura por contratos com o departamento de Defesa.



Os dois grupos que cumpriam um papel central na trama foi a Legião Americana e a Liga da Liberdade. Ambas fascistas. A Legião Americana era formada e financiada pelos Morgan e por Murphy que em 1919 a utilizou como um grupo de fura-greves contratado. Diversos oficiais de alta patente da Legião Americana estavam associados com esta trama, dentre eles William Doyle e Gerald C. MacGuire. Os conspiradores escolheram o general Smedley Butler , um herói da Primeira Guerra Mundial e líder do grupo fascista dos camisas cáqui, para dirigir o plano


Butler, no entanto, era abertamente contrário ao fascismo, embora Clark Singer tentou várias vezes convencê-lo do contrário, mais ainda quando Gerald MacGuire, um vendedor ligado à Murphy & Co., revelou a conspiração contra o governo para implantar uma ditadura fascista na qual general Hugh Samuel Johnson, um antigo oficial da Administração de Recuperação Nacional, seria posto como como ditador.






IG Farben

Quem fornecia o pesticida Zyklon-B (cianeto de hidrogênio) colocado nas chamadas "câmaras de gás" utilizadas pelos nazistas para exterminar milhões de judeus? A empresa alemã IG Farben, antecessora da mesma Bayer que continua a fornecer inseticidas mundo afora.


Uma parte desta fascinante história, é revelada pelo historiador G. Edward Griffin: “Os anos precedentes da Segunda Guerra Mundial viram nascer um cartel internacional, tendo como sede central a Alemanha, que controlava a indústria química e farmacêutica global e com a qual 93 países cooperaram.”
Era uma força política e económica poderosa em certos lugares da Terra. Esse cartel denominava-se I. G. Farben. As iniciais I. G. (Interessengemeinschaft, que quer dizer, Grupos de Interesses) significam simplesmente que se trata de um cartel […] Até à declaração da Segunda Guerra Mundial, o grupo I. G. Farben tinha-se tornado o grupo industrial mais importante da Europa e o empreendimento de química mais importante do mundo. Ele fazia parte de um cartel de um poder e de um tamanho gigantesco, facto único em toda a História.”
A I. G. Farben tinha desenvolvido em 1926 um método para obter gasolina a partir de carvão e concluiu em 1949, um contrato de licença com a Standard Oil . Esta última deu à I. G. Farben 546.000 das suas acções ordinárias no valor de mais de 30 milhões de dólares.
Dois anos mais tarde, a I. G. Farben assinou o contrato com a Alcoa-Aluminium. A I. G. Farben produziu quase metade da gasolina alemã e, mais tarde, construiu refinarias bem ao lado dos campos de concentração.
Os prisioneiros foram obrigados a trabalhos forçados enquanto se produzia nessas refinarias o gás para as câmaras de gás. O grupo I. G. Farben foi um dos mais importantes trustes controlados pelos Rothschild e despendiam enormes somas de dinheiro na economia alemã, particularmente aos futuros SS. O comité diretor do I. G. Farben contava entre os seus membros, Max e Paul Warburg do Federal Reserve, que possuíam grandes bancos na Alemanha e nos Estados Unidos. Dois outros membros do conselho de administração foram C. E. Mitchell, membro do conselho de administração do Federal Reserve e do National City Bank e H. A. Metz do Bank of Manhattan.
Herman Schmitz, presidente do I. G. Farber fazia parte, ao mesmo tempo, do comité director do Deutsche Bank e do “Banco para o Pagamento Internacional de Contas”.
EM 21 DE MAIO DE 1942 FOI INAUGURADA UMA FÁBRICA DA I.G. FARBEN EXATAMENTE NAS PRÓXIMIDADES DE AUSCHWITZ


A fábrica de borracha sintética e combustíveis I.G. Farben foi aberta em Monowice, próximo a Auschwitz, usando os judeus do campo para o trabalho escravo. Para tirar proveito da baratíssima mão-de-obra dos campos de concentração e dos jazigos de carvão da Silésia, o conglomerado alemão I.G. Farben fundou uma fábrica na região, e nela foram investidos mais de 700 milhões de Reichsmarks (aproximadamente $1,4 milhão de dólares em valores de 1942). O campo de Auschwitz III, também chamado de Buna ou Monowitz, foi estabelecido nas redondezas para fornecer trabalhadores escravos à fábrica. A expectativa de vida dos trabalhadores naquelas imensas instalações industriais era extremamente baixa, eles morriam de tanto trabalhar, de fome, frio e doenças.

No auge de suas atividades, em 1944, a fábrica fazia uso de 83.000 trabalhadores escravos.
De 1942 a 1945, cerca de 25.000 trabalhadores escravos morreram na fábrica de Monowitz.



Muitos de seus gerentes permaneceram nazistas até o fim.



Após a Guerra, foram julgados 24 diretores, 13 foram condenados a prisão, entre um ano e meio e 8 anos. O próprio Hermann Schmitz foi julgado em Nuremberg por seus crimes de guerra juntamente com outros diretores dela, mas quando chegou em seus afiliados e diretores americanos, foram caladamente esquecidos. "... a verdade estava enterrada nos arquivos.", conforme citado na obra de Antony Sutton, Wall Street and the Rise of Hitler (Wall Street e a Ascensão de Hitler), página 33. Devido a isso, a empresa foi considerada demasiado corrupta para continuar a existindo. Os aliados ocidentais no entanto, em 1951, dividiram a empresa em sua versão original até as empresas constituintes. Atualmente só a Agfa, a BASF, Hoechst (conglomerado da Sanofi-Aventis) e a Bayer continuam existindo.






BAYER


Depois da guerra a empresa "quebrou" e reabriu com o nome de BAYER (Friedrich Bayer, o mesmo fundador da IG Farben). A Aspirina foi criada por um empregado da BAYER, Arthur Eichengrun. Mas Eichengrun era judeu e Bayer não quis admitir que um judeu havia criado um produto que mantinha sua empresa. Assim, até hoje, Bayer oficialmente deu os créditos a Felix Hoffman, um homem ariano, pela criação da Aspirina.



De 1920 a 1945 aproximadamente mil empresas dos Estados Unidos operaram na União Soviética contribuindo com a eletrificação e a criação do sistema ferroviário do pais.
Demos uma olhada a Alemanha aos finais da primeira guerra mundial. Depois da caída do império comessou a colaboração entre a União Soviética e a nova República de Waimar.
No tratado de Rapallo de 1922, Moscou renunciava ao pagamento dos danos da guerra por parte dos alemães a cambio de uma forte colaboração industrial e militar. Empresas do calibre de Krupp, Yunker, Donier, Daimler, empurraram acordos para a produção e a colaboração no solo soviético para iludir os restritos controles das nações ocidentais que tinham sido impostos no tratado de Versalles.
Tambem a República de Vaimar e logo a subida do nacional socialismo de Adolf Hitler foram financiados tanto pelo capitalismo alemão como pelo anglo-americano.
Os treis carteis industriais alemães: Vereinigte Stahkwerke (aço), I.G.-Farben (química) e AEG (setor elétrico), são financiados principalmente pela familia Warburg (Alemanha), e pelos bancos estado-uniden-se Nacional City, Chase Manhattan, Morgan, Kuhn&Loeb, que de 1924 a 1926 transferiram a Alemanha um total de 975 milhões de dóllares.
Tambem a ajuda material ao impulso bélico da Alemanha foi notável: por exemplo, a BendixAviation, controlada pela Morgan Bank, enviou miles de motores aéreos a Alemania de 1934 a 1935. Tambem outros capitalistas alemães, como por exemplo Franz Thyssen e Alfred Krupp, financiaram a acenção de Hitler e suas empresas continuaram operando depois da derrota nazista.
Em 1938, o nacional socialismo de Hitler alcançou o culmine de sua ideologia criminal e fanática, embebecido de odio racista.
Mas tambem a politica expansionista da União Soviética comessou a desenvolver-se.
Efetivamente a invasão da Polonia pela Alemanha em 1939 seguiu a invasão da Polonia Oriental e logo os estados balticos por parte da União Soviética. Já o jogo estava feito, tinham sido financiados dos estados movidos ambos por ideologias socialistas, que apesar de ter assinado um pacto de não agressão em 1939, estavam destinados a destruir-se un aos outros.
E assim foi: a batalha campal foi a de Stalingrado (1942-1943), onde morreram aprox. dois milhões de pessoas entre militares e civis. Os dois ditadores foram então usados para objetivos de controle e domínio por parte dos poderes fortes das finanças internacionais.
Terminada a guerra, os banqueiros ofereceram ulteriores empréstimos para a reconstrução, tanto na Alemanha já dividida em duas e invadida, como a União Soviética, vitoriosa, mas machucada duramente pelo conflito.

Assim o expôs o Dr. Anthony C. Sutton em «Wall Street and the Rise of Hitler»:

O envio de dinheiro fornecido à Alemanha, antes de 1940, pelo capitalismo americano, tendo em vista a preparação para a guerra, só pode ser qualificado de fenomenal. Sem dúvida alguma, foi decisivo para a preparação militar da Alemanha. Algumas provas permitem compreender que o sector influente da economia americana estava, certamente, lúcido sobre a natureza do Nazismo, prontos a auxiliá-lo e sustentá-lo financeiramente por interesse pessoal, plenamente conscientes de que isso acabaria numa guerra na qual seriam implicados a Europa e os Estados Unidos […]”

Os meios bancários e industriais americanos que foram largamente implicados na instauração o Terceiro Reich estão agora acessíveis ao público. Podemos encontrá-las nas prestações de contas e nos relatórios sobre as auditorias do governo publicadas entre 1928 e 1946 pelas diferentes comissões do senado e do congresso. Entre as provas mais importantes encontram-se aquelas fornecidas pelo sub-comité do congresso que investigou a propaganda Nazi (House Sub-Comitee Investigate Nazi Propaganda) em 1934 pelo relatório sobre os cartéis publicados em 1941, pela comissão económica provisória nacional do congresso (House Temporary National Economic Commitée) assim como pelo sub-comité do Senado para a mobilização de Guerra, em 1946 (Senate Subcommitée on War Mobilization 1946).

Video novas imagens do Holocausto

Documentário os Sócios Alemães de Hitler







Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, entenda;

Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes;

E quem estiver sobre o telhado não desça a tirar alguma coisa de sua casa;

E quem estiver no campo não volte atrás a buscar as suas vestes.

Mas ai das grávidas e das que amamentarem naqueles dias!

E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado;

Porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver.

E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias.








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto
Evangélico Pentecostal, Sola Scriptura, Sola Christus, Sola Gratia, Sola Fide, Soli Deo Gloria