quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Microchip Seria a Marca da Besta ?



Depois de anos de planejamento, pesquisa e desenvolvimento, as instituições financeiras do mundo estão anunciando e antecipando uma nova SOCIEDADE GLOBAL SEM DINHEIRO.
As várias formas de realizar as trocas monetárias estão sendo, agora, substituídas pela tecnologia dos microchips , o dinheiro eletrônico.

O microchip é um minúsculo objeto eletrônico que se  implanta na mão ou em outro local do corpo através de uma infecção sub cutânea.
O chip contém um número único, tal como o do Bilhete de Identidade de uma pessoa e pode ser lido através de um scanner .
Quando o chip é aplicado o respectivo número e a identificação são enviados para um computador que reúne e transmite esses dados.

Muitos Cristãos sérios  acreditam  que o Microchip pode ser o cumprimento das profecias  de Apocalipse 13  e outros não

 VEJA O QUE DIZ A PROFECIA

16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas,
17  Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.
18  Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.

Nos tempos Atuais quase todas as pessoas estão dependentes da tecnologia e do uso dos microchips
 de  identificação   e de até mesmo de rastreamento  e também sabemos que o uso da tecnologia pode ser usada tanto para o bem ou para o mal  , porem não devemos fugir dos avanços tecnológicos e vivermos bitolados ,porem o uso da tecnologia de rastreamento esta em toda a parte da sociedade de maneira já obrigatória como em veículos e motos em telefones  inteligentes em GPS , computadores inclusive os Televisores Plasma já possuem um chip RFID de rastreamento e um dia, este tipo de tecnologia provavelmente será tão difundida que você não será capaz de abrir uma conta bancária, obter um cartão de crédito ou até mesmo comprar nada sem ter um ou outro a sua mão ou o seu rosto primeiro digitalizados.
É difícil imaginar uma população que vai apresentar livremente uma escravidão digital.


Vejamos a Seguir os Últimos Avanços  no Mundo  Desta  Tecnologia .






Microchip Anticoncepcional Monitorado por Controle Remoto



O  novo dispositivo para controle de natalidade com controle remoto será testado em breve

Nos anos 1990, Robert Langer – professor no Massachusetts Institute of Technology (MIT) e conhecido como “o engenheiro mais citado da história” – e seus colegas Michael Cima e John Santini, desenvolveram uma tecnologia de microchip capaz de liberar quantidades controladas de substâncias químicas.

Já em 2012, o laboratório de Robert Langer no MIT recebeu a visita de Bill Gates, que queria saber se era viável um novo método anticoncepcional no qual a mulher pudesse ligá-lo e desligá-lo quando quisesse e que pudesse durar muitos anos.

Langer sugeriu que o seu microchip de liberação controlada poderia ser a solução. A tecnologia foi transferida à MicroCHIPS, uma startup ligada ao MIT que desenvolveu um dispositivo medindo apenas 20x20x7 milímetros para ser implantado sob a pele


O chip contém um pequeno reservatório do hormônio levonorgestrel, que já é usado em alguns anticoncepcionais. O chip libera 30 mcg de levonorgestrel por dia, e pode durar até 16 anos.

Quando a mulher quiser engravidar, basta desativar o chip por controle remoto. Não há necessidade de remoção do chip do corpo da mulher antes dos 16 anos de uso. Em comparação, os implantes subdérmicos atuais duram, no máximo, 5 anos.

  O medicamento fica armazenado em uma capsula dentro do chip.

A ideia, que já recebeu US$ 4,6 milhões da fundação Bill e Melinda Gates, foi desenvolvida inicialmente para enviar medicamentos diretamente nos ossos de pacientes com osteoporose, mas teve sua utilidade ampliada a pedido do cofundador da Microsoft. O microchip começa a ser testado no ano que vem e pode chegar ao mercado mundial  em 2018.

Algumas associações representadas por vários milionários  acreditam que o chip anticoncepcional poderá ser uma solução para controlar o crescimento da população mundial o qual vem sendo defendido a muitos anos  pela elite global.





O empresário holandês Martijn Wismeijer, especializado em bitcoins, decidiu implantar dois chips nas mãos para armazenar esta moeda virtual.

Os chips, protegidos por estruturas de vidro “biocompatíveis”, medem 12mm x 2mm, e foram injetados com seringas por um especialista.

Os chips são dotados de sistema NFC, que permite trocar dados entre dispositivos sem a necessidade de que sejam tocados diretamente e podem armazenar, cada um, até 888 bits de informação.
Martijn Wismeijer pôs o implante em 3 de novembro, juntamente com outras pessoas, mas diante da publicidade que seu caso teve, decidiu retirar a quantidade de bitcoins dos chips.

“O objetivo não era que todo mundo soubesse”, disse, brincando, à AFP.

“Quisemos fazer esta experiência para avançar na ideia de porta-níquel virtual”, explicou Wismeijer, co-fundador da empresa MrBitcoin, especializada em distribuidores de moedas virtuais.

Os chips implantados conseguem se comunicar entre si através de smartphones equipados com sistema Android.

“O que se armazena nos chips tem que ser considerado uma caderneta de poupança”, afirmou. “O terminal de pagamento continua sendo o telefone, mas é possível transferir bitcoins a partir dos chips”, assegurou.

As seringas e os chips podem ser comprados pela internet por 99 dólares na empresa “Dangerous Things”.

“Desaconselhamos implantar você mesmo, é melhor chamar um especialista para evitar as infecções”, disse Wismeijer.

Além de armazenar bitcoins, estes chips podem abrir portas, sem precisar usar chaves, desligar um despertador aproximando as mãos ou desbloquear aparelhos eletrônicos.


(Apocalipse 14:11)
"A fumaça do seu tormento sobe pelos séculos dos séculos, e não têm descanso algum, nem de dia nem de noite, os adoradores da besta e da sua imagem e quem quer que receba a marca do seu nome."





São Criados Microchips Vestíveis 
 Sobre a Pele Humana


A empresa que trabalha nesta tecnologia é a americana MC10, com sede em Cambridge, no estado de Massachusetts. Ela testa, hoje, chips esticáveis, dobráveis e muito finos. Eles têm diferentes cores, tons que se parecem com pele, justamente para agir como tatuagens.

É quase certo que a próxima era da computação será do  minada por vestíveis, porém ninguém sabe como eles serão nem em que parte do corpo serão usados.

A Apple e a Samsung, por exemplo, estão apostando no pulso, enquanto o Google investe no rosto. Algumas empresas de tecnologia acreditam que todo o vestuário será eletrônico. Há também um novo segmento de start-ups que acha que os humanos se tornarão verdadeiros computadores ou pelo menos repositórios de tecnologia.

Essas start-ups estão desenvolvendo computadores vestíveis que colam à pele como tatuagens temporárias ou como uma bandagem adesiva.





Muitas dessas tecnologias são flexíveis, dobráveis e extremamente finas. Elas também podem ter formas exclusivas para se destacar como uma tatuagem ousada ou se confundir com a cor da pele.

Computadores vestíveis serão mais baratos de produzir e funcionarão com mais precisão, pois os sensores ficarão rentes ou dentro do corpo das pessoas.

A empresa MC10, com sede em Cambridge, Massachusetts, está testando um tipo de computador vestível do tamanho de um pedaço de chiclete, que pode ter antenas sem fio, sensores de temperatura e de batimentos cardíacos e uma bateria minúscula.

Scott Pomerantz, diretor da MC10, disse: “Nosso computador vestível fica sempre ligado à pessoa. Ele é menor, mais flexível e estirável, e possibilita colher todos os tipos de dados biométricos relacionados aos movimentos”.

Recentemente, a MC10 uniu esforços com John A. Rogers, professor da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign. Há quase uma década, ele aperfeiçoa dispositivos flexíveis que possam ser usados na pele ou implantados.

Como esses dispositivos funcionariam? A pessoa colocaria alguns sensores no corpo na hora de sair para correr, depois veria uma análise altamente detalhada de seu exercício no telefone.

Outra função seria descobrir o melhor desodorante para certa pessoa. Um adesivo que monitora o grau de transpiração enviaria um e-mail com algumas recomendações. Outra utilidade seria monitorar a respiração de seu bebê colocando um pequeno sensor no peito dele para alertá-la caso ocorra qualquer problema.

“Os sistemas biológicos e eletrônicos serão muito mais integrados”, afirmou Rogers. “Sem esse contato físico estreito, é difícil ou talvez até impossível extrair dados relevantes.”

As aplicações para a saúde são numerosas. No ano passado, Rogers e sua equipe de cientistas trabalharam com pacientes com mal de Parkinson para monitorar seus movimentos, com dermatologistas

Anke Loh, da Escola de Arte do Instituto de Chicago (SAIC), está fazendo experimentos para que os computadores vestíveis pareçam body art. “Ao ver esses adesivos, dá vontade de colocá-los na pele, mesmo sem saber para que servem”, disse.

Cientistas da Universidade de Tóquio estão desenvolvendo uma “e-pele”, uma pele eletrônica que fica sobre a pele real. Ela parece um pedaço de plástico estirável, porém contém vários sensores relacionados à saúde.


Em outra versão, cientistas estão trabalhando para adicionar uma camada de LEDs, transformando a pele em uma tela fixada ao corpo. Além de monitorar a saúde, as peles digitais poderão ser uma interface visual e talvez até substituam os smartphones.

Chip de Rastreamento de Crianças





Projeto Skinput

  
O projeto denominado Skinput, transmite imagens de computador para a pele do ser humano transformando a pele em uma tela sensível ao toque, pequenos projetores são acoplados a uma braçadeira, e exibem comandos no antebraço do usuário. Com os dedos da outra mão, basta “clicar” no comando selecionado para fazer ligações, acessar a internet ou trocar a música de seu player de MP3, por exemplo.
Sensores instalados na mesma braçadeira medem a reverberação acústica produzida pelo “clique” em nosso braço. A cada batida do dedo na “tela”, as ondas chegam aos sensores, que indicam qual foi o comando selecionado, já que a reverberação é diferente de acordo com a área do corpo apontada pelo usuário.
Em um segundo projeto, os cliques tornam-se desnecessários. Uma série de eletrodos mede a atividade elétrica provocada pela movimentação dos músculos da mão do usuário. Essa técnica, conhecida como eletromiografia, permite identificar exatamente qual dedo é movimentado.







Criado Microchip Capaz de Imitar
 o Cérebro Humano




 A IBM apresentou nesta quinta-feira (7) um chip de computador que pode ser capaz de imitar o cérebro humano, permitindo a criação de dispositivos menores, que esquentam menos, que consomem menos energia que poderão compreender melhor o que o usuário deseja. Chamado de SyNAPSE, abreviação de Systems of Neuromorphic Adaptive Plastic Scalable Electronics, o processador foi feito em parceria com a Cornell Tech e a iniLabs e ainda não tem data para aparecer em computadores e smartphones.

Computador possui um processador neuromórfico que  não roda programas, e sim imita comportamentos a emulação de um cérebro em um chip



A tecnologia poderia ser utilizada em  robôs pois os permitiria  aprender de suas  propias experiências, associar percepções com ações e se adaptar a situações ou ambientes não previstos .


O novo chip, também chamado "TrueNorth", opera imitando o lado "direito do cérebro", onde estão as funções que processam a informação percebida pelos sentidos, razão pela qual pode responder a imagens, aromas e informações do entorno para "aprender" a agir em diferentes situações.

O sistema consegue fazer isso usando uma grande rede de "neurônios e sinapses", similares às que o cérebro humano utiliza para usar informação compilada dos sentidos.


De acordo com os criadores, o processador é capaz de simular 1 milhão de neurônios programáveis, 256 milhões de sinapses programáveis e 46 bilhões de operações sinápticas por segundo, por watt. Com essas características ele seria capaz de simular um cérebro humano, solucionando problemas baseados em hipóteses, experiências passadas e erros, como uma pessoa de verdade.
Sensores no formato de folhas com o chip poderiam alertar sobre queimadas (Foto: Divulgação/IBM Research)Sensores no formato de folhas com o chip
poderiam alertar sobre queimadas

"Esses chips inspirados pelo cérebro humano podem transformar a mobilidade por meio de aplicações com sensações e inteligência em aparelhos que podem caber na palma da sua mão se a necessidade de uma rede Wi-Fi", afirma o Dr. Dharmendra S. Modha, cientista-chefe da área de computação inspirada no cérebro da IBM.


Algumas aplicações futuras do chip já são previstas. Uma delas são sensores no formato de folhas, abastecidos pela luz solar, que podem ser colocados em florestas e enviar dados e alertas sobre queimadas. Outro exemplo são óculos especiais que poderiam guiar deficientes visuais sem a necessidade de estarem conectados na internet.

O processador foi apresentado pela primeira vez em 2011. A versão atual tem o tamanho de um selo postal e consome pouquíssima energia.



(Apocalipse 16:2)
"Saiu, pois, o primeiro anjo e derramou a sua taça pela terra, e, aos homens portadores da marca da besta e adoradores da sua imagem, sobrevieram úlceras malignas e perniciosas."




Cientistas Criam Microchip 

Capaz de Controlar o Apetite Humano




Cientistas britânicos apresentaram em Londres um microchip "inteligente" desenvolvido para ser implantado no corpo humano com o objetivo de controlar o apetite e combater a obesidade.

Após testes satisfatórios nos laboratórios do Imperial College, os professores Chris Toumazou e Stephen Bloom anunciaram que os testes em animais estão prestes a começar. Testes em humanos são esperados em três anos.

O chip foi desenhado para ser implantado junto ao nervo vago (pneumogástrico), que regula o apetite e outras funções do organismos.

O circuito consiste em um "modulador inteligente" de poucos milímetros, implantado na cavidade peritoneal do abdome (na barriga). Ele será preso ao nervo vago por meio de eletrodos.

O chip e os eletrodos foram desenvolvidos para ler e processar estímulos elétricos e químicos do nervo que regulam o apetite.

Com base nos dados coletados, o chip poderá enviar estímulos elétricos ao cérebro, reduzindo o apetite.

"Será um controle do apetite, mais do que dizer: 'pare de comer de uma vez'. Então, talvez em ver de comer rápido, você coma mais devagar", explicou o professor Toumazou, em entrevista à BBC.

"Uma vez que o cérebro fica em alerta, ele receberá sinais similares àqueles recebidos do organismo após uma refeição, e esses sinais dizem para não comer mais, que os intestinos estão cheio de comida", explicou.

Segundo o professor Toumazou, o chip pode se tornar uma alternativa à cirurgia de redução do estômago, já que a nova técnica poderá controlar o apetite.

O fato de também identificar impulsos químicos deve tornar o chip mais efetivo, indicam os cientistas.

O projeto recebeu 7 milhões de euros do Conselho de Pesquisa Europeu.
Nervo vago

O nervo vago regula uma série de funções no organismo, como controlar a respiração, o ritmo cardíaco, a secreção de ácidos no sistema digestivo e a contração do intestino.

O nervo também indica ao cérebro como outros sistemas do organismo estão operando.

A equipe do Imperial College de Londres, no entanto, não é a única a pesquisar o tema.

A empresa de tecnologia médica EnteroMédics, dos Estados Unidos, criou um circuito que bloqueia o nervo para interromper estímulos de apetite.

Resultados dos primeiros testes do chip americano, que envolveram 239 pacientes, mostraram perda de até 20% do excesso de peso no corpo. A empresa, no entanto, disse que os resultados não foram tão bons quanto os esperados.

Outra empresa americana, a IntraPace, também desenvolveu técnica similar.



Trabalhadores do Vaticano usam um dispositivo  de rastreio implantado em um microchip

Video Rockefeller Adimite que a Elite Global esta elaborando um chip para controlar a população mundial


Chips Milagrosos Também
 são Criados



Microchips implantados devolvem a visão a pessoas cegas


Garoto surdo passa a ouvir graças a chip no cérebro




Cientistas criam chip que pode analisar o DNA em menos de uma hora


Mas a besta foi presa, e com ela o falso profeta que havia realizado os sinais milagrosos em nome dela, com os quais ele havia enganado os que receberam a marca da besta e adoraram a imagem dela. Os dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre.
Apocalipse 19:20









EX MINISTRO DA SAÚDE DA FINLÂNDIA E MÉDICO ALERTA SOBRE O IMPLANTE DE MICROCHIPS EM SERES HUMANOS



Texto que se segue abaixo é original de   Rauni-Leena Luukanen-Kilde, Doutor en Medicina e Ex Ministro de Saúde da Finlândia e  foi originalmente publicado na 36ª edição da revista em Idioma Finlandês PEKULA  publicação de estudantes de medicina e médicos da Universidade de OULU OLK, Finlândia do Norte. E foi enviada a todos os estudantes de medicina da Finlândia e a todos os médicos da Finlândia do Norte como forma de alerta-los sobre a implantação do microchip em seres humanos .



Em 1948 Norbert Weiner publicou um livro intitulado “A Cibernética” definindo uma teoria de controle e antecipando a comunicação neurológica das pessoas, possibilidade que já circulava em meios científicos da época. Yoneji Masuda, “Pai da sociedade de informação”, em 1980 expressou sua preocupação de que a nossa liberdade estava sendo ameaçada, no estilo Orwelliano, por uma tecnologia cibernética totalmente desconhecida pela maioria das pessoas.

Esta tecnologia conecta os cérebros das pessoas, mediante microchips nelas implantados, com satélites controlados em terra por supercomputadores. Os primeiros implantes cerebrais foram inseridos cirurgicamente em 1974 no Estado de Ohio, Estados Unidos e também em Estocolmo na Suécia. Em 1946 já haviam sido inseridos eletrodos nos cérebros de recém-nascidos, sem o conhecimento dos pais. Na década de 50 e 60 se realizaram implantes cerebrais em animais e em seres humanos, sobretudo nos Estados Unidos, enquanto se realizavam investigações acerca da modificação da conduta das pessoas e o funcionamento do cérebro e do corpo humano.

Foram então utilizados métodos para controle da mente (CM) com o objetivo de modificar a conduta e as atitudes humanas. A possibilidade de influir sobre as funções cerebrais se tornou uma meta importante para o exército e os serviços de inteligência. Os implantes cerebrais de trinta anos atrás, segundo algumas radiografias, tinham um centímetro de tamanho. Os implantes posteriores se reduziram ao tamanho atual de um grão de arroz. No início eram feitos de silício e agora de arsênio e gálio. Na atualidade são suficientemente pequenos para serem implantados através de uma agulha, e tantas vezes com ou sem a autorização dos pacientes. Atualmente é quase impossível detectá-los ou se livrar deles. E existe a possibilidade de se implantar um microchip no cérebro de um recém-nascido, com o qual se poderá monitorá-lo e  modificar a personalidade dele pelo resto de sua vida. Estes planos estão sendo secretamente tratados nos Estados Unidos sem nenhum tipo de difusão pública, tudo sendo tratado de forma sinistramente oculta.

Na Suécia o primeiro ministro Olof Palme, em 1973 autorizou o implante destes dispositivos no cérebro de prisioneiros e o Diretor de Estatísticas, Jan Freese revelou que os pacientes ambulatoriais haviam sido monitorados até os anos 80. A tecnologia ali aplicada foi revelada pelo governo sueco em 1972, no Statens Officiella Utradninger (SOU). Os seres humanos implantados podem ser rastreados onde quer que estejam. Suas funções mentais podem ser monitoradas à distância mediante supercomputadores, e inclusive se pode alterar e modificar a frequência cerebral. Tais experimentos secretos foram utilizados em humanos, identificados como “porquinhos da Índia”, implantados tanto em soldados, com em prisioneiros e pacientes com alguma enfermidade mental, também em crianças deficientes, pessoas surdas e cegas, homossexuais, mulheres solteiras, anciões e meninos em idade escolar, e em qualquer tipo de pessoa considerada “marginal”, tudo isso conduzido pelos experimentadores da elite.

As experiências conhecidas, realizadas com prisioneiros da Prisão estatal de Utah, por exemplo, são alarmantes. Os microchips atuais funcionam por meio de ondas de rádio de baixa frequência que permitem o rastreamento das pessoas. Com a ajuda de satélites, a pessoa implantada pode ser localizada em qualquer parte do planeta, e nunca mais terá qualquer tipo de privacidade. Esta técnica foi testada inclusive na Guerra do Iraque, segundo o cientista Carl Sanders, que foi o inventor deste microchip, capaz de interferir na mente das pessoas onde é implantado. (Não precisa ser implantado diretamente no cérebro, mas nas costas da mão e na testa das pessoas, e produz o mesmo efeito)

Anteriormente, durante a Guerra do Vietnam, foram injetados chips Rambo nos soldados, desenhados para aumentar o fluxo de adrenalina na corrente sanguínea, para que perdessem qualquer tido de medo e se tornassem mais agressivos. Através de supercomputadores, dotados de 20 bilhões de bits por segundo, a NSA-Agencia Nacional de Seguros Americana, podia agora ver e ouvir o que os soldados experimentam no campo de batalha, mediante o SMR - Sistema de Monitoramento Remoto.

Quando se implanta um microchip de 5 micro milímetros (um fio de cabelo tem 50 micro milímetros) no nervo ótico de um olho humano, este emite neuroimpulsos ao cérebro onde se armazenam as experiências, se pode captar os odores, imagens, e a voz da pessoa implantada. Uma vez transferidos e guardados em um computador, estes neuroimpulsos podem ser projetados novamente ao cérebro da mesma pessoa, mediante o microchip. E assim, através do sistema de Monitoramento Remoto, um operador de computador em terra, pode enviar para ele mensagens eletromagnéticas – codificadas como sinais – que atingem o sistema nervoso, afetando o seu desempenho de tal pessoa. Deste modo, mediante o mesmo sistema, se podem induzir pessoas antes saudáveis a que tenham alucinações e ouçam vozes estranhas.

Assim, cada pensamento, som, ou observação visual produz um determinado potencial neurológico, ondas e padrões no cérebro e em seus campos eletromagnéticos, que podem ser decifrados como pensamentos, imagens e vozes. O estímulo eletromagnético pode, por conseguinte, mudar as ondas cerebrais de uma pessoa, afetar a sua atividade muscular, podendo causar-lhe câimbras e sensações musculares dolorosas, como se conseguem em experimentos de tortura. O sistema eletrônico de vigilância empregado pela Agencia de Segurança Nacional americana pode assim ocupar-se e controlar simultaneamente milhões de pessoas. Cada um de nós possui uma frequência de ressonância bio-elétrica única no cérebro, do mesmo modo que possuímos diferentes impressões digitais. Mediante o estímulo do cérebro com determinada frequência eletromagnética (FEM) totalmente codificada, eles podem enviar estes sinais ao cérebro, atingindo o objetivo de produzir os efeitos auditivos e visuais desejados.

É como uma forma de guerra eletrônica. Os astronautas americanos antes de viajarem ao espaço tiveram estes dispositivos implantados no corpo, para captar seus pensamentos e registrar suas emoções, durante as 24 hora do dia. O Jornal Washington Post informou em maio de 1995 que o príncipe da Grã Bretanha se havia implantado um microchip, já desde os 12 anos de idade. De modos que, se algum dia fosse sequestrado, se poderia dirigir a ele uma onda radiofônica com a frequência específica do seu microchip. Este sinal poderia ser enviado através de satélite, e captado em uma central de polícia, de onde se poderia monitorar e seguir os movimentos do príncipe. Deste modo ele poderia ser localizado em qualquer lugar da terra.

Os meios de comunicação massivos não têm divulgando que através disso a privacidade das pessoas seria tolhida, e que deste modo ela teria a sua personalidade modificada pelo resto da vida. Isso porque ela pode ser manipulada de diversos modos. Empregando frequências diferentes o controlador secreto pode inclusive manipular a vida emocional das pessoas. Tanto ele pode ser tornado agressivo como apático. Também se pode influir artificialmente em sua sexualidade. Pode-se ler as linhas do seu pensamento e do subconsciente, se pode induzir a ter sonhos, e assim controlar sem o conhecimento da pessoa, e sem seu consentimento, toda a sua vida.

Deste modo, se pode criar um soldado cibernético perfeito. Esta tecnologia tem sido testada pelas forças militares de certos países da NATO, desde a década de 80, sem que as populações civis e mesmo acadêmicas soubessem nada a respeito. Por isso existe pouca informação acerca destes sistemas invasivos, que estão sendo usados para o controle da mente, e nada consta sobre eles nas publicações profissionais e trabalhos acadêmicos. O grupo de inteligência em Sinais da NSA pode monitorar remotamente a informação proveniente dos cérebros humanos, mediante a decodificação dos potenciais evocados (3.50HZ,5 miliwatts) emitidos pelo cérebro. Tem-se encontrado prisioneiros usados em experimentos, tanto em Gothenburg, Suécia, como em Viena, Áustria, que devido a isso apresentaram lesões cerebrais evidentes.

A diminuição da circulação sanguínea e a falta de oxigênio nos lóbulos frontais temporais direitos acontece em certos casos em que os implantes cerebrais estão sendo usados e em funcionamento. Um finlandês empregado em um experimento destes apresentou atrofia cerebral e ataques intermitentes de inconsciência, devido a esta falta de oxigênio. As técnicas de Controle da mente se podem também ser usadas com fins políticos. O objetivo dos controladores mentais na atualidade é induzir as pessoas ou grupos a atuarem de acordo com suas próprias conveniências e interesses sempre escusos. Inclusive se podem programar indivíduos zumbificados, para que assassinem pessoas indicadas e depois sequer recordem do crime que cometeram. Podem-se encontrar alarmantes exemplos deste fenômeno nos Estados Unidos. Esta guerra silenciosa está sendo conduzida por agências de inteligência militar, contra soldados e civis ignorantes.

Desde 1980 a estimulação eletrônica do cérebro (EEC) tem sido secretamente empregada para controlar pessoas alvo, sem seu conhecimento ou consentimento. Os acordos internacionais sobre direitos humanos proíbem a manipulação não consentida de seres humanos – inclusive nas prisões – tampouco as populações civis. Devido a uma iniciativa do senador americano John Glenn, em janeiro de 1997, se começou a estudar os perigos de usar a radiação sobre populações civis. O controle das funções cerebrais através pulsos eletromagnéticos, pode ser feito através de helicópteros, aviões e satélites, até de camionetas estacionadas próximas, ou casas vizinhas, também postes de telefone, mesmo outros aparelhos eletrônicos, aparelhos celulares, TV Rádio, etc. e é parte importante de um problema que deve se tratado por todos os organismos e governos eleitos democraticamente. Além do controle eletrônico da mente, também se tem desenvolvido métodos químicos. Podem-se introduzir drogas que produzem alterações mentais e diferentes gases inalantes que afetam o funcionamento do cérebro de maneira negativa, que podem ser despejados sobre as populações a partir de aviões e helicópteros, e também introduzidos nas caixas de água das cidades. Tem-se também provado que eles difundem já bactérias mortíferas e diferentes vírus de doenças graves, em vários países. (Observem que tudo isso está acontecendo)

A supertecnologia de hoje, ao conectar as funções do nosso cérebro através de microchips, devido a estas mais recentes e adiantadas tecnologias, através de supercomputadores e por meio de satélites, nos Estados Unidos e também Israel, constitui um dos mais graves perigos para a humanidade. Os supercomputadores de última geração são suficientemente poderosos para poderem monitorar, ao mesmo tempo as populações de toda a terra. 
Que acontecerá quando as pessoas sejam tentadas a permitir estes implantes em seus corpos, através de promessas falsas? Uma destas tentações já em uso é a utilização do microchip nos documentos de identidade.

Fala-se que secretamente está sendo proposta uma legislação nos Estados Unidos, que penalize a todos aqueles que extraem do corpo este implante identificador. Acaso estamos próximos e fadados à robotização de toda a humanidade, a eliminação total de nossa privacidade, aí incluída a liberdade de pensamento? Quantos de nós estaremos dispostos a ceder sua vida, aí incluídos os pensamentos mais confidenciais, ao controle do “Grande Irmão”? Sem dúvida já existe a tecnologia capaz de criar um “mundo novo totalitário”, uma Nova Ordem Mundial totalitária. Existem já sistemas de comunicação neurológica encobertos, capazes de neutralizar o pensamento independente, e de controlar a atividade social e política, em nome de interesses privados e militares.

Quando nossas funções cerebrais estiverem conectadas aos supercomputadores, por meio de implantes de radio e microchips, será demasiado tarde para protestar. Somente se poderá evitar esta ameaça educando o público, utilizando a literatura já existente sobre bio-telemetria, também de informações surgidas em congressos internacionais.

Uma das razões pelas quais esta tecnologia tem sido mantida como segredo de estado é denunciada no prestigioso Manual Estatístico de Diagnóstico Psiquiátrico, elaborado pela Associação de Psiquiatria Americana e que se acha impressos em 18 idiomas. Os psiquiatras empregados pelas agências de inteligência americana, sem dúvida participaram da elaboração e da revisão deste manual. Esta “bíblia” psiquiátrica encobre o desenvolvimento secreto de tecnologias de controle da mente, rotulando alguns dos seus efeitos como sintomas de esquizofrenia paranóica. Deste modo, as vítimas submetidas a experimentos relacionados ao controle da mente, são habitualmente diagnosticadas como enfermos mentais, por médicos que aprenderam isso da lista de “sintomas” DSM em suas faculdades de medicina. Não se ensina aos médicos que os pacientes podem estar dizendo a verdade, quando denunciam que estão sendo manipulados contra a sua vontade, e de terem sido usados como “coelhos da índia” por formas eletrônicas, químicas e bacteriológicas de uma guerra psicológica.

Vi algo semelhante a um mar de vidro misturado com fogo, e, em pé, junto ao mar, os que tinham vencido a besta, a sua imagem e o número do seu nome. Eles seguravam harpas que lhes haviam sido dadas por Deus, Apocalipse 15:2






4 comentários:

  1. Remoto neural monitoramento por satélite terrorismo no Brasil

    Os cérebros dos brasileiros estão sendo conectados à satélites para fins de tortura e assassinato e o governo continua ignorando os fatos. Essa tecnologia por satélite é controlada por uma rede global de criminosos, esses elementos adentram o cérebro humano 24 hs a conexão pode vir de várias pessoas ao mesmo tempo, leitura do córtex visual através da interface cérebro computador. O crime organizado utiliza essa tecnologia no tráfico de drogas e a gente, para fraudar concursos públicos e vestibular ou simplesmente para torturar pessoas. Através dessa arma sonora é possível inserir sons, imagens e outros barulhos na cabeça do alvo com auxílio de ondas acústicas, vibracionais, ,sonoras de rádio frequência eletromagnética com o uso de implante ou assinatura cerebral. Os elementos que compõem o bando que estão ignorando às leis são formados por quadrilhas inteiras que estão usurpando estes corpos. Leiam mais v2k technology, synthetic telepathy, voice to skull technology, nano implant brain radar, microwaves in remote neural monitoring, mind control an silent sound, mk ultra, gang stalking world, harassment attacks. Já existem inúmeras vítimas no nosso país isto está acontecendo no mundo todo. Recentemente foi aprovada uma lei nos EUA contra o uso de armas geofísicas climática e controle mental, gostaria de saber a opinião da população e autoridades brasileiras à respeito desse tipo de crime no país.

    ResponderExcluir
  2. Nã exagero em dizer que os casos são tão horrendos quanto aos praticados pelos médicos nazistas em especial Dr.Mengele na segunda guerra mundial. As vítimas são torturadas 24hs durante ano após ano sem terem o direito de defesa.

    ResponderExcluir
  3. Estamos sendo escravizados

    Organização criminosa em Porto Alegre utiliza dispositivo de envio de voz para o crânio humano para torturar pessoas, o equipamento permite a escuta e o monitoramento neural constante dos pensamentos com captação de imagens visuais, atacando diretamente o crânio com emissão de sons da fala 24 horas online segundo a segundo. Os criminosos utilizam uma conexão através de ondas curtas de rádio frequência com o cérebro, proporcionando o acompanhamento constante e vigilância silenciosa. Eles podem ouvir o que ouvimos, vemos e até mesmo ler nossos pensamentos, vigilância total de qualquer um, em qualquer lugar do globo terrestre. Essa patente americana que foi muito usado por militares em época de guerra, está sendo usado como instrumento de tortura não rastreável e arma letal. Ao interagir com o cérebro, os operadores podem transmitir sons inexplicáveis, vozes, imagens, cheiros e gostos, e causar numerosas dores e sensações por todo o corpo. Estas incluem a sensação de corrente elétrica e as vibrações zumbido nos ouvidos sensação de clicks intracraniano. As vítimas são submetidas a privação do sono e intensa tortura física e psicológica em uma tentativa de empurrá los ao suicídio ou violência. Esse serviço pode ser alugado, estes grupos operam no mundo todo, esse método é uma forma de terrorismo e é utilizado para reduzir a qualidade de vida de uma pessoa, assim o alvo poderá ter um colapso nervoso, tornar se encarcerado institucionalizado a experiência de dor mental emocional ou física constante, tornar sem teto ou cometer suicídio. Ele é feito usando acusações bem orquestradas, mentiras, rumores investigações falsas enquadramento intimidação ameaças abertas ou veladas vandalismo furto sabotagem e tortura humilhação terror emocional e assédio em geral, é um sistema criminoso destrutivo construído sobre o engano que existe para servir as intenções de alguns que estão conscientes de todo o horror que a vítima é obrigada a aguentar. Esse tipo de crime é realizado por sociedades secretas criminosas, como essa a que me refiro que está agindo no Sul do país utiliza dispositivo de envio de voz para o crânio humano para torturar suas vítimas. Seus números e enorme alcance sugerem o envolvimento do governo e de financiamento de ricos empresários possivelmente com o aparato de segurança interna com ligações com o crime organizado utilizando táticas semelhantes à nazistas. Milhares de pessoas em todo o mundo são vítimas de perseguição organizada e tortura e tem os seus direitos constitucionais e humanos sob ataque suas carreiras relacionamentos saúde e vidas destruídas atrocidades indescritíveis estão sendo cometidas crimes contra a humanidade tal como definido pelas Nações Unidas. Sugiro uma investigação imediata para averiguação dos fatos busca e apreensão do equipamento e punição dos culpados e que seja sancionada uma lei proibindo esse tipo de crime hediondo em nosso país.

    marisanogueira123@yahoo.com.br
    vítima desde 2007

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho certeza que sou portador de um chip destes ai citados a cima.
    Eu estou procurando a ajuda para localização e remoção do mesmo.
    Por favor se alguém ler está massagem é um pedido de socorro.
    Venho sofrendo várias torturas tanto físicas quanto mental e meus pensamentos são lidos e induzidos o que eles querem que eu faça.
    Sei que a lei do meu país não permite tal procedimento e nem as leis internacionais também não permitem.
    Então se alguém ler está mensagem me ajudem por favor.
    Atenciosamente Vagner dos Santos.

    ResponderExcluir

Quem sou eu

Minha foto
Evangélico Pentecostal, Sola Scriptura, Sola Christus, Sola Gratia, Sola Fide, Soli Deo Gloria